Girlboss do Netflix

Girlboss do Netflix

A tão aguardada série sobre a vida de Sophia Amoruso, criadora do comércio de roupas Nasty Gal, chegou neste ultimo fim e semana a prateleira do Netflix. Vamos falar agora sobre essa primeira temporada.

A história segue a trajetória de Sophia, uma jovem de 22 anos que perde seu emprego em uma loja de sapatos, e se torna a partir disso a sensação do E-Bay após vender uma jaqueta que garimpou em um de seus brechós costumeiros.

A ideia parece simples, porém a biografia de Sophia é bem mais complexa e livre de bons costumes. A garota que fundou a Nasty Gal é uma protagonista que não cativa pelo que tem de melhor, mas sim superando o seu pior.

Uma garota autoritária, irresponsável e com sérios problemas para amadurecer que revira o lixo para comer e furta coisas em lojas é um personagem difícil de acompanhar e de se identificar de cara. Com o desenrolar dos acontecimentos vai se mostrando o que hoje é considerado seu case de sucesso. Todos os passo errados que Sophia deu a levaram para seu maior passo certo.

Com a atriz Britt Robertson no papel da protagonista (Tomorrowland), temos uma versão bem-humorada de um best seller. Muitos podem dizer que a serie pode não passar profundidade, e eu não posso discordar disto, mas acredito que o objetivo da série seja contar de uma maneira descontraída todas as peripécias da jovem empreendedora que alcançou o sucesso e criou sua grande empresa do zero.

Algumas cenas são muito bem elaboradas, como por exemplo a retratação de uma conversa de fórum/chat, onde os participantes ficam sentados a uma mesa digitando e colocando seus links em meio a conversa. Foi um diferencial bem bacana de ver. Entre outras coisas a se apreciar : piadinhas rápidas para deixar o seriado dinâmico e os pontos da cidade de São Francisco que são maravilhosos.

Outras participações deixam o seriado ainda melhor, como por exemplo o ator e apresentador Andre Charles, conhecido como RuPaul e um dos mais queridos no mundo da moda. Ele interpreta um vizinho da Sophia e suas aparições são fantásticas.

A atriz Ellie Redd interpreta Annie, a melhor amiga de Sophia. A personagem é mais cativante do que a própria protagonista, por sua postura leal e super alto astral. Sem contar que além de amiga de Sophia é um dos pilares para que a jovem empreendedora consiga realizar seu grande feito. Annie é companheira e auxilia não somente na criação da Nasty Gal como está presente em muitos momentos com Sophia.

Outro ponto alto da série é a trilha sonora. A primeira cena já vem embalada por “I’m The Wild One” da cantora Suzi Quatro e traz uma ambientação meio anos 70 a comédia, apesar de se passar no inicio do milênio. Outros hits como “Rebel Girl” por Bikini Kill, “Hallelujah” por Jeff Buckley e “Nasty Gal’ por Betty Davis que deu inspiração para o nome da empresa.

O seriado é divertido e passa alguma lição sobre amadurecimento. Super fácil de fazer uma maratona pois cada episodio tem cerca de 15 minutos de duração. Dá para assistir a temporada inteira em até 4 horas.

Fica a recomendação e espero que se divirtam bastante.

Sarah Campos

Sarah Campos

Fundadora do Sahssaricando. Vive com a cabeça no mundo da lua, parou no tempo do Balão Mágico e tem alma oitentinha. Gosta de assuntos bons o suficiente para render horas de conversa e é uma eterna aprendiz da vida.
Sarah Campos

Últimos posts por Sarah Campos (exibir todos)